Foi realizada com sucesso, na quinta-feira (30), a captação de múltiplos órgãos no Hospital Estadual de Urgências da Região Sudoeste (HURSO) em Santa Helena de Goiás. O paciente doador teve a morte encefálica confirmada na quarta-feira (29). Apesar da dor da perda, a família tomou uma decisão que salvou outras vidas com o transplante de fígado, dois rins e córneas.

O procedimento teve início às 15h45 e foi concluído às 20h20. A operação foi realizada pela equipe cirúrgica da Unidade; integrantes da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) e profissionais das Equipes Nacionais de Transplantes das cidades de Goiânia, Brasília e Rio de Janeiro. “É sempre uma satisfação enorme participar de uma captação de órgãos. Por mais que seja um trabalho exaustivo, é muito gratificante”, comentou Fernanda Gonçalves, presidente da CIDOT.

“A palavra que define esse momento é gratidão. Eu me sinto muito honrada em fazer parte desse momento. Por um lado um ciclo se termina, mas ele dá início à outro. É muito bom saber que outras pessoas terão a chance de viver”, relatou Rosilene Vieira, técnica de enfermagem que acompanhou a captação.

Sobre a doação de órgãos

Doação de órgãos é um ato nobre de amor e solidariedade que pode salvar muitas vidas. O transplante de órgãos pode ser a única esperança de vida para pacientes que aguardam a doação. É preciso que a população se conscientize da importância do ato de doar um órgão 

A falta de informação e o preconceito ainda são fatores que limitam o número de doações. Para ser um doador, basta conversar com seus familiares e amigos sobre seu interesse. A doação é autorizada pelos familiares depois que a equipe médica confirma a morte encefálica do doador.

“Eu perdi minha mãe na fila de um transplante de fígado. Então, é muito bom conscientizar as famílias sobre a doação de órgãos. Me emociono muito sempre que participo de uma captação”, finalizou Rosilene.

Ajustar fonte