No Mês da Mulher, relembramos a importância de se manter saudável mesmo com uma rotina cada vez mais intensa. Mulheres, na maioria das vezes, trabalham fora e dentro de casa, cuidados dos afazeres domésticos e da família. A famosa dupla ou até tripla jornada torna cada vez mais difícil encontrar o tempo para destinar à saúde do corpo e da mente.

É preciso estar atenta. Essa rotina bastante exigente tem sido um dos principais motivos pelo aumento de casos de doenças sérias entre as mulheres. As três mais comuns são câncer de mama, depressão e câncer de colo do útero.

O Brasil tem mais da metade do seu número populacional em mulheres. São quase 102 milhões em população feminina. Uma grande parcela deste número tem ou terá uma doença grave em algum momento da vida.

Câncer de Mama

É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres atingindo 25% dos casos de câncer na comunidade feminina do mundo. Em questão de mortalidade a nível mundial, o câncer de mama está no topo do ranking, com mais de 10 mil mortes anualmente. No Brasil, são previstos 60 mil novos casos todos os anos. A opção por hábitos mais saudáveis, como alimentação equilibrada e prática de exercícios físicos de forma regular, é uma forma de prevenção. 30% dos casos podem ser evitados por esse caminho.

Outro meio de evitar ou fazer o diagnóstico precoce da doença é o autoexame da mama. 66% dos casos são descobertos através dele. Se o câncer de mama for diagnosticado no início, as chances de cura sobem para 80%.

Depressão

De 2 a 25% das mulheres apresentam um pico depressivo em algum momento da vida. A depressão ocorre por diversos fatores, dentre eles hereditariedade, alterações hormonais bruscas, acontecimentos negativos durante a vida, medicamentos ou como consequência de outras doenças.

Ainda não há uma comprovação científica que indique o motivo desse problema ser mais incidente nas mulheres. O organismo feminino sofre consideravelmente com questões hormonais em momentos como menstruação e gravidez. É possível que a depressão esteja associada a um desses fatores.

Os tratamentos para a depressão são diversos e variam entre medicamentos e terapia psicológica ou psiquiátrica. Com o tratamento adequado, as mulheres com esse problema podem levar uma vida como qualquer outra, priorizando sempre os bons momentos e o bem-estar na rotina.

Câncer do colo do útero

São registrados 16 mil novos casos desse tipo de câncer anualmente no Brasil. Quase 6 mil mulheres morrem todos anos em decorrência dessa doença. Se for diagnosticado na fase inicial, as chances de cura podem chegar a 100%.

Ele é causado pela infecção através do vírus HPV (Papiloma Vírus Humano). As mulheres precisam estar atentas a esse fator, já que infecções pelo HPV são muito frequentes. Como se trata de uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), o melhor caminho é garantir que o ato sexual seja sempre seguro com o uso de camisinha. Além disso, outro método preventivo é a vacina contra o HPV. O medicamento está no calendário vacinal do Ministério da Saúde para adolescentes de até 14 anos.

O câncer do colo do útero é descoberto através do exame conhecido como Papanicolau e é indicado que este procedimento seja realizado pelo menos uma vez ao ano. Esse tipo de câncer geralmente só apresenta sintomas quando já está em nível avançado.

Outras doenças

Questões hormonais, genéticas, ambientais e até causas desconhecidas tornam as mulheres mais vulneráveis também a outras doenças como esclerose múltipla, infecção urinária, fibromialgia e infecções sexualmente transmissíveis.

A opção por uma vida mais saudável é a principal dica para que o organismo fique longe desses problemas. Alimentação rica em fibras, cereais, frutas, legumes e verduras; prática regular de atividade física; procurar uma rotina mais leve, distante dos problemas e conflitos diários; hábitos que não são difíceis de praticar.

Reservar um tempo para consultas médicas e exames também é fundamental para que haja o controle da sua saúde. Comece agora mesmo e garanta que seu organismo aguentará a rotina intensa como deve.

Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.