De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 30% de todos os tumores malignos do Brasil são relativos ao câncer de pele. Esse é o tipo mais comum de câncer, na frente, inclusive, do câncer de mama.

Ele é caracterizado pelo crescimento anormal e descontrolado das células da pele. A pele, maior órgão do corpo humano, é heterogênea e por isso pode apresentar diferentes tipos de tumores. Eles podem ser classificados em melanoma e carcinoma.

O melanoma é o tipo mais agressivo, porém mais raro. Ele costuma começar nas camadas mais profundas da pele e pode se expandir para outras áreas e órgãos. Por sua vez, o carcinoma é menos agressivo e costuma surgir na região média e superior da pele, mais fácil de ser identificado.

Sinais do câncer

É natural que todos possuam pintas, independentemente do tom de pele, que muitas vezes podem ser apenas lesões benignas. Entretanto, existem alguns passos que podem ajudar a identificar pintas e manchas que podem ser sinais de câncer.

Para vigiar corretamente, fique atento ao A B C D E:

  • A de assimetria: pintas com lados desiguais podem ser sinal de alerta.
  • B de bordas irregulares: em uma pinta normal, a sua borda é lisa e regular.
  • C de cor: existem pintas de todo tipo, vermelhas, brancas, marrons e pretas. Entretanto, se a tonalidade for se alterando, seja por completo ou apenas de uma parte, é importante consultar o médico.
  • D de diâmetro: caso a pinta seja muito grande, especificamente maior do que 6 milímetros, é conveniente ir ao dermatologista.
  • E de evolução: qualquer mudança em uma mancha ou pinta é algo que deve ser examinado com cuidado. Isto inclui variações de tamanho, forma, cor, sumiço da pinta ou se ela sangrar sem motivo.

Prevenção

A principal medida a respeito de qualquer câncer sempre será a prevenção. Em relação ao câncer de pele, a recomendação é evitar a exposição excessiva ao sol. Além disso, usar o protetor solar corretamente é uma medida essencial. Ele deve ser aplicado a cada duas horas e toda vez que a pele entrar em contato com a água. É indicado um fator mínimo de 45.

Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.