O tétano é uma infecção causa por uma toxina, a Clostridium tetani, que representa alto risco para quem a contrai. A doença é causada pela penetração dessa bactéria no corpo através de lesões na pele e não é contagiosa.

A vacinação, que já está disponível há quase 70 anos, é tomada em três doses, geralmente durante a infância. A dose de reforço é recomendada a cada dez anos. Segundo o Ministério da Saúde, a imunização contra a infecção só é segura se tomada todas as doses.

Sintomas e tratamento

A toxina produzida pela bactéria ataca principalmente o sistema nervoso central. Seus sintomas são:

  • Febre
  • Rigidez muscular e espasmos involuntários
  • Dificuldade de abrir a boca e engolir

O tratamento é realizado com antibióticos e relaxantes musculares. Quando não tratada, a contratura muscular pode atingir os músculos respiratórios e pôr em risco a vida da pessoa.

Prevenção

Em dez anos, casos de tétano diminuíram 44% no Brasil. Apesar da queda, foram registradas mais de 900 mortes pela doença nos últimos nove anos. A vacina e, principalmente, a dose de reforço são as principais maneiras de prevenção.

Porém, há algumas recomendações durante acidentes que também podem ajudar a evitar a doença. Quando tratar ferimentos, limpe cuidadosamente com água e sabão para evitar qualquer tipo de bactéria.

A bactéria do tétano não está presente apenas em pregos e cercas enferrujadas como muitos pensam. Se houver a possibilidade de contágio, tome as previdências e procure um médico.

Se você ainda não se vacinou contra o tétano, dirija-se até o posto de saúde mais próximo e se previna!

Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.