É comum que pediatras recomendem que as crianças se movimentem bastante desde o nascimento para um bom desenvolvimento infantil. A melhor forma de fazer com que elas se interessem pelo exercício é através das brincadeiras, muito importantes especialmente quando elas acontecem na natureza.

Um estudo recente realizado no Canadá analisou 306 crianças e o tempo que elas passavam brincando ao ar livre. A pesquisa concluiu que aqueles que passavam mais horas do lado de fora tinham melhor forma física e eram três vezes mais suscetíveis a fazer atividades físicas diariamente. Brincar ao ar livre tem inúmeras vantagens e deve ser estimulado entre os pequenos.

Benefícios de brincar ao ar livre

O contato com a natureza é ótimo para ajudar o corpo a criar anticorpos e é recomendado para o desenvolvimento infantil correto. Crianças que são mais acostumadas a ambientes fechados têm uma tendência maior em ficar doentes e desenvolver alergias. Estar em contato com o meio ambiente permite que elas entrem em contato com sujeiras e bactérias que fortalecem o sistema imunológico. Além disso, conhecer a natureza proporciona cheiros e sensações desconhecidas para as crianças.

Brincadeiras em grupo são sempre muito positivas por desenvolverem a criação de relações sociais. Quando uma criança se depara com algum conflito ela aprende a lidar com as diversidades e respeitar o outro da forma que ele é. Ter contato com crianças de várias idades também é ótimo para que os pequenos compreendam as diferenças e se tornem mais tolerantes.

O que cada brincadeira desenvolve?

  • Cabo de guerra: ensina a trabalhar em grupo e desenvolve a força;
  • Bambolê, batata quente, dança das cadeiras e queimada: desenvolvem a motricidade fina, o ritmo, o equilíbrio e a agilidade;
  • Amarelinha: usa a coordenação motora e a visão, desenvolvendo destreza, força e senso de distância;
  • Ciranda cirandinha e outras brincadeiras que envolvem cantigas: ampliam o conhecimento cultural das crianças, além da musicalidade.
Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.