O câncer de pele, ou melanoma, é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais da pele. Ele é causado por mutações ou defeitos genéticos no DNA. Na maioria dos casos, é decorrente da radiação ultravioleta. Por isso, a melhor forma de prevenção é ter cuidado com o excesso de sol.

Como surge o melanoma?

O melanoma pode começar como uma espécie de pinta ou mancha sobre a pele, como um pequeno tumor cutâneo pigmentado ou coloração variada. Ele é mais frequente nas partes do corpo que ficam expostas ao sol.

Geralmente os tumores são de cor marrom ou preta. Mas alguns melanomas não são pigmentados e essa “pinta” pode aparecer nas cores rosa, bege ou branca.

Câncer agressivo e fatal

O câncer de pele representa apenas 4% dos casos de câncer. Porém, o melanoma é responsável por cerca de 90% das mortes relacionadas a esse tipo de câncer. Isso porque esse é um câncer agressivo que tende a se espalhar rapidamente para outras partes do corpo em um processo chamado metástase.

No entanto, se descoberto em estágios iniciais, o melanoma é quase sempre curável. O melhor a se fazer é se prevenir. Evite o sol nos horários entre 10h e 16h. Utilize protetor solar e fique de olho em manchas ou alterações em pintas ou na pele.

Regras para identificação de sinais de perigo

Para auxiliar na identificação dos sinais perigosos, dermatologistas desenvolveram uma metodologia chamada de regra ABCDE. Desconfie do melanoma se uma pinta ou mancha apresentar:

  • Assimetria: uma metade da pinta ou mancha é diferente da outra parte;
  • Borda: as bordas são irregulares, entalhadas ou dentadas;
  • Cor: muitas vezes apresentam cor desigual. Tons de preto, marrom e canela ou áreas brancas, cinza, vermelha ou azul podem estar presentes;
  • Diâmetro: o diâmetro é maior que 5 milímetros;
  • Evolução: uma pinta ou mancha vem mudando de tamanho, forma, cor, aparência ou coçando ou sangrando.

Atenção: há ainda melanomas que não se enquadram nas regras acima descritas. Por isso, é importante informar ao médico quaisquer alterações em lesões de pele ou novas lesões de aparência diferente do restante das pintas existentes.

Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.