Lepra, como é conhecida, ou hanseníase é uma doença infectocontagiosa que é causada por uma bactéria. Em todo o mundo, surgem 28 mil casos todos os anos, mas 80% deles acontecem no Brasil e na Índia. Por isso, ela é considerada um grande problema de saúde pública no país. Atualmente, todos os hospitais devem informar possíveis diagnósticos para o seu controle.

A enfermidade é causada pelo bacilo Mycobacterium leprae. Esse parasita ataca pele e nervos periféricos, mas com o avançar da doença pode afetar outros órgãos como olhos e testículos. Por isso, o diagnóstico precoce é essencial: quanto mais avançada a doença, maior o risco de paralisia ou amputação.

Diagnóstico e sintomas

O diagnóstico consiste em uma avaliação clínica dos sintomas, através de testes de sensibilidade e força motora, por exemplo. Alguns exames laboratoriais podem ser necessários, como biópsias.

Os principais sintomas são manchas ou bolhas avermelhadas pela pele e perda da sensibilidade do tato. Além disso, também é possível sentir uma sensação de choque nos nervos, perda de peso, fraqueza nas mãos e nos pés, dores nas articulações e formigamento. Caso você identifique esses sintomas, dirija-se a emergência mais próxima.

Tratamento

O tratamento da doença é totalmente gratuito através do Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, com a medicação, não é necessário o isolamento do paciente e ele pode seguir sua rotina normalmente. A presença de amigos e familiares é, inclusive, fundamental para a sua cura.

Os procedimentos variam de acordo com o tipo da doença e são recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Ajustar fonte

AVISO

Tendo em vista o encerramento do contrato, o Hospital Estadual de Pirenópolis não é mais gerido pelo Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar - IBGH.

As informações constantes neste site referem-se ao período em que a gestão da unidade de saúde estava sob responsabilidade do instituto e estão sendo mantidas em cumprimento às leis de transparência vigentes.